Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Junho 25, 2024

5 dias para conhecer a Arte do Corval | Dia 2

Rui Santos, o Mestre Oleiro mais novo do Corval
Rui Santos, o Mestre Oleiro mais novo do Corval

Uma Arte sem sucessão?

Aparentemente, o abastecimento de gente para abrir novas olarias parou. Hoje não há aprendizes. Rui Santos foi o último. Já lá vão vinte e sete anos, desde o tempo em que ocupava os dias de férias a amassar barro e a tentar dominar as voltas que a roda de oleiro dá. “Quatro a cinco anos, é o tempo que demora a formar um oleiro”, conta-nos. Por formar um oleiro entende-se a capacidade de reproduzir peças similares, que nestas coisas do trabalho manual não há exactidões possíveis, sem o recurso constante às medidas e fazer com que a peça saia fluída e

Os tradicionais tachos de barro
Os tradicionais tachos de barro

naturalmente, como as que brotam das mãos de Rui Santos. “Não há hipótese de pagar a um aprendiz durante anos para ele estragar barro”. E os tempos mudaram. Sem ganho não há quem queira aprender o ofício. Rui Santos repesca o exemplo do sobrinho que, afirma, “preferia levantar-se às 05:00 para ir à apanha da azeitona, a 200 km daqui, do que trabalhar na olaria do pai, Egídio Santos”.

Agricultura e construção, eventualmente um pouco de hotelaria, é o que há pelo sítio. Por outro lado, em tempo que se diz de crise, não cabem pressas nem se sente necessidade no investimento à criação de novos profissionais. “Quando há mais trabalho, optamos pelas horas extras”. Em causa não só a dificuldade de formação de um oleiro mas também a ausência de gente formada disponível. “Os que sabem, trabalham quase todos por conta própria”.

Ali trabalham a tempo inteiro cinco pessoas. O mestre oleiro e quatro decoradoras, entre as quais se conta Neida. De vez em quando um antigo empregado, José Orlando, que já abandonou o mister, dá uma ajuda. Entrou na Patalim aos 14 anos, na altura a ganhar cinquenta escudos (vinte cinco cêntimos) por semana. Foi um dos poucos casos em que se pagou a um aprendiz.

Leia também: 5 dias para conhecer a Arte do Corval Dia 1

 

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

3 COMENTÁRIOS

Comentários estão fechados.

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -