Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Julho 22, 2024

A episteme do desesperado sem razão

Vitor Burity da Silva
Vitor Burity da Silva
Professor Doutor Catedrático, Ph.D em Filosofia das Ciências Políticas Pós-Doutorado em Filosofia, Sociologia e Literatura (UR) Pós-Doutorado em Ciências da Educação e Psicologia (PT) Investigador - Universidade de Évora Membro associação portuguesa de Filosofia Membro da associação portuguesa de Escritores

Thomas Kuhn, em seu trabalho sobre as estruturas das revoluções científicas, também discute mudanças paradigmáticas que se alinham com estas epistemes (Kuhn, 1962). A episteme clássica, fundamentada na representação fiel da realidade pela razão humana, é análoga ao que Kuhn descreve como ciência normal. A moderna, que vê o conhecimento como interpretação crítica e modificável da realidade, corresponde à fase de crise e revolução científica em Kuhn. A pós-moderna, que enfatiza a produção contingente e plural do conhecimento, reflete a aceitação de múltiplos paradigmas.

A contemporaneidade é marcada por uma coexistência e interseção dessas epistemes, gerando tensões e conflitos entre diferentes formas de saber (Habermas, 1981). Esse cenário de crise epistemológica é agravado pela condição do “desesperado sem razão”, que perde a fé na possibilidade de conhecer a verdade, devido à falta de evidências ou excesso de informações.

Para superar essa condição, é necessário reconhecer a complexidade e diversidade do conhecimento, desenvolver uma postura crítica e criativa, e cultivar uma ética do conhecimento, como sugerido por Paulo Freire (Freire, 1996) e Leonardo Boff (Boff, 1999).

A episteme, como conceituada por Foucault, é mais do que uma mera estrutura de conhecimento; é um sistema que define o âmbito do pensável e do expressável em cada era histórica. Foucault argumenta que a episteme é uma prática discursiva que permeia diversas esferas do saber, como ciência, filosofia, arte e religião. Essa prática não é uniforme ou estática, mas dinâmica e heterogênea, evoluindo com as mudanças históricas, sociais e culturais.

Foucault identificou três grandes epistemes na história ocidental: a clássica, a moderna e a pós-moderna. Cada uma dessas epistemes moldou de maneira distinta o que é considerado conhecimento válido e legítimo. A episteme clássica, vigente entre os séculos XVI e XVIII, baseava-se na ideia de que o conhecimento é uma representação precisa da realidade, acessível através da razão humana. A semelhança era seu princípio orientador, com a matemática servindo como modelo para a construção de um conhecimento claro e universal.

A episteme moderna, que se estendeu do século XIX ao XX, introduziu uma noção de conhecimento como interpretação crítica da realidade, sujeita à modificação pela intervenção humana. Essa episteme era orientada pela diferença e dominada pelo método analítico, com a física fornecendo um modelo para entender um conhecimento dinâmico e complexo.

Em contraste, a episteme pós-moderna, emergindo no final do século XX, caracteriza-se pela ideia de que o conhecimento é uma construção contingente e plural, contestável pela diversidade humana. Aqui, a desconstrução é o princípio orientador, e a linguística fornece o modelo para um entendimento do conhecimento como instável, fragmentado e contextual.

Estas epistemes não são exclusivas ou sequenciais, mas coexistem e interagem na contemporaneidade, gerando tensões e conflitos entre diferentes formas de saber e de interpretar a realidade. Vivemos, portanto, em uma era de crise epistemológica, onde os critérios e limites do conhecimento são constantemente questionados e desafiados. Este contexto é fértil para o surgimento do “desesperado sem razão”, um indivíduo que enfrenta a incerteza e a ambiguidade no processo de busca pela verdade.

A condição do “desesperado sem razão” reflete a incapacidade de compreender ou transformar a realidade diante da multiplicidade de informações e da complexidade dos desafios contemporâneos. Esta condição representa um abismo epistemológico, onde a falta de certezas gera dúvidas e angústias profundas.

Para superar essa condição, é imperativo reconhecer a complexidade e a diversidade do conhecimento, evitando tanto o relativismo quanto o dogmatismo. Isso implica aceitar a coexistência de múltiplos saberes que se confrontam e se complementam, cada um com seus próprios critérios, méritos e limitações.

Além disso, é fundamental desenvolver uma postura crítica e criativa frente ao conhecimento, questionando seus pressupostos e implicações, sem cair no ceticismo ou no otimismo ingênuo. Isso envolve propor novas formas de conhecer e interagir com a realidade, reconhecendo suas dificuldades e riscos.

Finalmente, é essencial cultivar uma ética do conhecimento, que envolve assumir a responsabilidade pelo saber produzido e utilizado. Isso significa buscar o bem comum e a justiça social através do conhecimento, sem instrumentalizar as diferenças ou as necessidades individuais.

Neste contexto, a figura do “desesperado sem razão” emerge como um símbolo da nossa era, representando a luta para encontrar significado e verdade em um mundo marcado pela pluralidade e pela incerteza epistemológica. O desafio é, portanto, navegar neste cenário complexo sem cair na desesperança ou na paralisia. A solução para esta crise não se encontra em uma resposta única ou definitiva, mas em um contínuo processo de questionamento, inovação e reflexão ética.

A superação do desespero sem razão implica um esforço coletivo e individual para engajar-se em diálogos mais inclusivos e reflexivos, conforme sugerido por Jürgen Habermas. Tal abordagem permite não apenas a coexistência, mas a interação produtiva entre diferentes epistemes e perspetivas de conhecimento. Isso implica uma maior tolerância à ambiguidade e um compromisso em explorar novos territórios intelectuais.

Portanto, enfrentar a crise epistemológica de nossa era requer uma abordagem multidimensional, que envolve tanto a valorização da pluralidade e da incerteza quanto a busca por princípios éticos que orientem a produção e a disseminação do conhecimento. É um chamado para que cada indivíduo, como parte de um todo coletivo, participe ativamente na redefinição do que significa saber, compreender e agir no mundo contemporâneo. Somente assim, poderemos não apenas confrontar, mas também transcender a condição do desesperado sem razão, abrindo caminho para um entendimento mais rico e humanizado da realidade.

 

Conclusão

A “episteme do desesperado sem razão”, como proposta neste ensaio, sintetiza a complexa crise epistemológica que permeia a contemporaneidade. Esta crise não deve ser interpretada meramente como um impasse ou um fracasso, mas antes como uma convocação à reflexão crítica e à reinvenção do conhecimento. Neste cenário, os desafios impostos pelas contínuas mudanças nas estruturas de saber, conforme ilustrado pelas transições de epistemes identificadas por Foucault, demandam uma reavaliação constante dos nossos métodos de compreensão e interação com o mundo.

Thomas Kuhn, com a sua teoria das revoluções científicas, oferece um paralelo útil para entender as transições epistemológicas. As suas ideias sobre paradigmas científicos, que emergem, dominam e eventualmente são substituídos, espelham a natureza dinâmica das epistemes de Foucault. Esta analogia é particularmente relevante para compreender como o desespero sem razão emerge nas fases de crise e transição paradigmática, quando os modelos existentes são inadequados para explicar novos fenômenos ou resolver problemas emergentes.

Além disso, Jürgen Habermas, com sua ênfase na racionalidade comunicativa e no discurso ético, aponta para a necessidade de um diálogo mais inclusivo e reflexivo no âmbito do conhecimento. A crise epistemológica, nesse sentido, pode ser vista como um convite à participação mais ativa e democrática na construção do saber, onde diferentes vozes e perspetivas são reconhecidas e valorizadas.

A condição do “desesperado sem razão”, então, reflete uma reação compreensível às incertezas e complexidades do conhecimento contemporâneo. No entanto, é precisamente através do reconhecimento e da aceitação desta complexidade que podemos encontrar caminhos para superar o desespero. Paulo Freire e Leonardo Boff oferecem orientações valiosas neste processo: a necessidade de uma postura crítica e criativa perante o conhecimento (Freire, 1996), e uma ética de responsabilidade e cuidado no uso e na disseminação do saber (Boff, 1999).

Em suma, a crise epistemológica atual representa tanto um desafio quanto uma oportunidade. Ela nos desafia a questionar e repensar os fundamentos do nosso conhecimento, mas também nos oferece a oportunidade de construir um entendimento mais plural, flexível e humano. Superar o “desespero sem razão” implica abraçar a incerteza como um espaço de possibilidade, onde novas formas de saber podem ser exploradas e valorizadas. Esta abordagem não apenas alivia o desespero, mas também enriquece nossa compreensão do mundo e da nossa própria humanidade.

 

 Citações:

Foucault, M. (2008). As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes.

Kuhn, T. S. (1962). A Estrutura das Revoluções Científicas. Chicago: University of Chicago Press.

Habermas, J. (1981). Teoria do agir comunicativo. Boston: Beacon Press.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Boff, L. (1999). Saber cuidar: ética do humano, compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes.

 

Bibliografia:

Boff, L. (1999). Saber cuidar: ética do humano, compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (2008). As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Habermas, J. (1981). Teoria do agir comunicativo. Boston: Beacon Press.

Kuhn, T. S. (1962). A Estrutura das Revoluções Científicas. Chicago: University of Chicago Press.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -