Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 18, 2021

Deixem-me sonhar

Delmar Gonçalves, de Moçambique
De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.

Poemas de Delmar Maia Gonçalves

“Batuque rima com esperança”

Onde há batuque
há festa
e onde há festa
há tilintar acelerado
dos corações
Onde há batuque
há África
e África…
é amor,
é alegria,
é desejo,
é paixão.
No batuque
há uma eterna mensagem
de esperança.

 

XL

Na viagem
descobri que os lírios
choram em terra queimada.

 

XXIII

Também as casotas
de colmo e palha
podem ser palácios de vida!

 

“Deixem-me sonhar”

Deixem-me sonhar
um sonho que não me pertence
Deixem-me sonhar
um sonho que seja para
além do sonho
Deixem-me sonhar
um sonho em que as utopias humanizantes
se tornam realidade
e os pesadelos desumanizantes
se tornam utopia
Deixem-me sonhar
um sonho em que a paz
entre os homens seja encontrada
muito para além das palavras e selos.

 


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorTe julgo única
Próximo artigoVelhices
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -