Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

Encontro imaginário com D. Luis I, George Washington e Teles Jordão

Os encontros imaginários de 2017 estão a chegar ao fim. Terminam hoje, com a presença de Mário de Figueiredo, Carlos Vargas e José Zaluar nos papeis de D. Luis I, George Washington e Teles Jordão.

A proposta d’A Barraca para fechar o ano é dar a conhecer as qualidades democráticas e culturais de D. Luis I, um dos nossos mais ignorados Reis, o “Pai da Pátria” George Washington, um dos leaders da independência dos Estados Unidos e o inimigo da Liberdade e do progresso, o facínora Miguelista Teles Jordão.

Saiba quem são:

D. Luís I

Lisboa, 31 de Outubro de 1838 – Cascais, 19 de Outubro de 1889

Apelidado de “o Popular”, foi o Rei de Portugal e Algarves de 1861 até sua morte. De grande sensibilidade artística, pintava, compunha e tocava violoncelo e piano. Poliglota, falava correctamente algumas línguas europeias. Fez traduções de obras de William Shakespeare. Do seu reinado merecem especial destaque as obras dos portos de Lisboa e de Leixões, a abolição da pena de morte para os crimes civis, a abolição da escravatura no Reino de Portugal, e a publicação do primeiro Código Civil.

Interpretação do jornalista Mário de Figueiredo.

George Washington

Condado de Westmoreland, 22 de Fevereiro de 1732 – Mount Vernon, 14 de Dezembro de 1799

Foi o primeiro Presidente dos Estados Unidos (1789 –1797), o comandante em-chefe do Exército Continental durante a Guerra da Independência dos Estados Unidos, e um dos Pais Fundadores dos Estados Unidos. Washington foi eleito Presidente unanimemente pelos eleitores em 1788 e prestou serviço durante duas legislaturas. Washington foi celebrado como “Pai da Nação” ainda durante a sua vida.

Carlos Vargas, jornalista, interpreta.

Joaquim Teles Jordão

Guarda, 1777 — Cacilhas, 23 de Julho de 1833

Foi um militar do Exército Português da facção conservadora miguelista. Foi nomeado governador da Torre de São Julião da Barra e a dureza com que tratou os presos, com cruéis abusos e torturas, mereceram o repúdio e ódio dos liberais. Na Batalha da Cova da Piedade, reconhecido como o odioso comandante de São Julião da Barra, foi morto a golpes de espada pelo coronel Romão José Soares, adjunto do comando da Divisão Ligeira do general João Schwalbach.

O professor José Zaluar interpreta.

Encontros imaginários 2017

18 de Dezembro de 2017

21h30

[email protected][email protected]

213 965 360 | 913 341 687

Largo de Santos, 2
1200 – 808 Lisboa

Website do Teatro A Barraca

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -