Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

EUA salvarão vidas e bilhões de dólares com 3 semanas de restrições

Impor um período de restrições mais rígidas agora – mesmo que por apenas uma semana – salvará muitas vidas, oferecendo mais benefícios econômicos do que custos.

por Anna Scherbina, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O presidente Joe Biden comemorou o aniversário de um ano da pandemia COVID-19 dando aos americanos uma meta ambiciosa: retornar a uma aparência de normalidade até o quatro de julho, Dia da Independência.

“Mas para chegar lá não podemos baixar a guarda”, acrescentou.

Infelizmente, muitos estados já o fizeram. O número decrescente de novos casos de coronavírus e a aceleração das taxas de vacinação  levaram o Texas e um número crescente de outros estados a aliviar mais restrições ou abandoná-las completamente. Seus governadores argumentam que os custos econômicos são altos demais e as medidas não são mais necessárias .

As autoridades federais de saúde, enquanto isso, estão aconselhando os estados a adiar a reabertura muito cedo e pedindo aos americanos que continuem a se mascarar e tomar outras precauções em público – mesmo que estejam totalmente vacinados. Cerca de 1.500 pessoas nos Estados Unidos ainda morrem todos os dias.

Os estados que flexibilizam as restrições da covid-19 parecem estar valorizando os ganhos de fazê-lo sobre as vidas dos cidadãos que podem morrer como resultado.

Felizmente, minha área de finanças oferece uma maneira de avaliar se essa é a abordagem certa ou se os estados estão cometendo um erro: conduzir uma análise de custo-benefício.

Mesmo que as restrições diminuam, muitos restaurantes e empresas continuam a impor regras de máscara e distanciamento físico

 

Valorizando a vida

Eu publiquei um artigo no início deste ano – versões diferentes dos quais foram peer-revista por Covid Economia e Economia de Desastres Naturais e Mudanças Climáticas (no prelo) – que realiza essa análise e explica a minha metodologia e os pressupostos em detalhe. Para este artigo, atualizei os resultados em meu modelo com os números mais recentes de 13 de março.

Um dado importante que você precisa saber para uma análise de custo-benefício é o valor de uma vida humana.

Atribuir um valor em dólar a uma vida pode parecer estranho, mas é algo que os formuladores de políticas fazem rotineiramente, como ao avaliar os benefícios de novas regulamentações. Uma maneira de fazer isso é tentar avaliar o valor que as pessoas dão à própria vida. Os economistas inferem isso a partir da disposição de um indivíduo em pagar para aumentar a probabilidade de permanecer vivo.

Por exemplo, quanto salário extra um trabalhador exige para fazer um trabalho mais arriscado, como na construção, que tem maior probabilidade de resultar em ferimento ou morte? Ou quanto os consumidores estão dispostos a gastar em intervenções médicas ou equipamentos de segurança para reduzir a probabilidade de morrer?

As estimativas resultantes produzem o “valor de uma vida estatística” – jargão de quanto vale monetariamente uma vida humana. Esse número geralmente diminui à medida que as pessoas envelhecem .

Os cálculos que usei em minha análise baseiam-se em um relatório recente do Conselho de Consultores Econômicos da Casa Branca , com pequenas modificações para corresponder melhor a outras fontes de dados que mencionei em minha análise. O valor atinge um pico de US$ 12,3 milhões para pessoas de 20 a 44 anos e diminui até chegar a US$ 5,3 milhões para pessoas com 65 anos ou mais.

Claro, uma vez que a maioria dos casos de covid-19 sintomáticos não termina em morte, eu também precisava calcular os custos devido à perda de produtividade e aos recursos médicos usados quando alguém fica doente. Como algumas pessoas perdem apenas alguns dias de trabalho, enquanto outras podem passar semanas no hospital, era importante encontrar uma maneira de estimar isso. Esses impactos também aumentam com a idade. E então analisei as prováveis ​​faltas por doença dependendo da idade e coloquei um valor na perda de produtividade.

 

Como restrições mais rígidas podem ajudar

A próxima consideração é descobrir quantas doenças e mortes poderiam ser evitadas com a adoção de medidas mais rígidas contra covid-19.

Primeiro, devemos decidir quais restrições farão mais diferença. Depois de um ano estudando o vírus, as autoridades de saúde geralmente concordam que as intervenções mais eficazes incluem a obrigatoriedade de cobrir o rosto, limitar as reuniões internas e exigir distanciamento físico. Outras medidas importantes incluem o fechamento de negócios não essenciais, a restrição de viagens de áreas fortemente afetadas e a manutenção de testes e rastreamento de contato generalizados.

Atualmente, as empresas estão “em sua maioria abertas” em todos os estados , exceto em oito , enquanto máscaras ainda são necessárias em pouco mais da metade deles.

Para projetar o número de casos futuros, usei um modelo epidemiológico padrão que estima como vários fatores alteram quantas pessoas adoecem e se recuperam ou morrem de uma doença. O modelo me permite incorporar suposições sobre a implementação de restrições ao coronavírus em todo o país, bem como as taxas de vacinação esperadas que suponho que continuarão no ritmo atual de cerca de 2,5 milhões de doses por dia.

O modelo estima que entre agora e setembro, quando eu projetei que a pandemia deve ter acabado em grande parte nos Estados Unidos por causa da imunidade de rebanho, quase 5,5 milhões de pessoas ficarão doentes e 65.000 pessoas morrerão, se o nível atual de restrições – como uma máscara mandatos e encerramentos de negócios – permanece em vigor. Se os estados continuarem a diminuir suas restrições, essas estimativas aumentariam, ao passo que, se as vacinações se acelerassem, diminuiriam.

Mas se todos os estados adotassem – ou fossem forçados a adotar – todas as restrições listadas acima por um período de três semanas, o modelo projeta que cerca de 4,5 milhões a menos de pessoas adoeceriam e 54.000 a menos morreriam.

Os restaurantes na Califórnia começaram a reabrir para refeições em ambientes fechados

 

Apenas três semanas

Para algumas pessoas, apenas saber quantas vidas poderiam ser salvas é suficiente para convencê-las de que um curto período de restrições mais rígidas faz sentido. A análise de custo-benefício, entretanto, coloca tudo em termos monetários – usando os números do “valor de uma vida estatística” mencionados anteriormente – e pode ser mais persuasiva para outros que são mais céticos.

Minha análise mostra que o valor econômico das vidas salvas e das doenças evitadas, com base nessas suposições, totaliza quase US$ 339 bilhões. Esse é basicamente o “benefício” para a economia de colocar em prática três semanas de restrições mais rígidas em todo o país.

Para calcular o “custo” da análise, revisei alguns  estudos diferentes que estimaram os custos para a economia das restrições ao coronavírus. Concluí que a economia perderia quase US$ 37 bilhões todas as semanas com a imposição de restrições como o fechamento de empresas não essenciais e o distanciamento social obrigatório. Os custos podem ser maiores dependendo se as restrições geram falências ou outros custos de negócios, que são muito difíceis de projetar.

Isso soma cerca de US$ 111 bilhões em três semanas, após o que suponho que os estados abrandariam essas restrições e voltariam às políticas atuais.

Portanto, a economia de custo líquido da imposição de três semanas de restrições seria de quase US$ 228 bilhões. À medida que os EUA se aproximam da imunidade coletiva, a análise de custo-benefício mostra que os custos das restrições superarão os benefícios – mas, como resultado, mais pessoas terão morrido.

É certo que isso se baseia em muitas suposições e é virtualmente impossível acertar todas elas. A previsão do número de mortes e doenças é especialmente difícil, e você obterá estimativas diferentes de fontes como os Centros de Controle e Prevenção de Doenças. E é possível que as vacinas percam sua eficácia com o tempo devido a variantes existentes ou novas que surjam.

Além disso, as análises de custo-benefício não devem ser previsões; eles simplesmente ajudam a orientar a tomada de decisões. Mas, independentemente de como analisei os números, ainda cheguei à mesma conclusão: impor um período de restrições mais rígidas agora – mesmo que por apenas uma semana – salvará muitas vidas, oferecendo mais benefícios econômicos do que custos.

 

Agora não é hora de relaxar

Em outras palavras, agora parece ser exatamente o momento errado para amenizar e eliminar restrições como alguns estados estão fazendo, especialmente com várias novas variantes permanecendo uma ameaça.

Na verdade, testei um cenário hipotético em que a variante B.1.1.7 mais transmissível se torna a predominante nos Estados Unidos. Como resultado, os cálculos em meu artigo mostraram que o benefício líquido estimado da imposição temporária de restrições mais rígidas quase triplica.

Anthony Fauci, o maior especialista do governo em doenças infecciosas, chamou as decisões para flexibilizar os mandatos das máscaras e outras restrições de “negócios arriscados” e alertou que os EUA poderiam ver outro aumento de casos – como a Europa está experimentando agora – se suspender as restrições muito cedo.

Minha análise sugere que os EUA devem ir ainda mais longe. Não apenas salvaria vidas, mas também faz sentido do ponto de vista econômico.


por Anna Scherbina, Professora-associada de finanças na Universidade Brandeis   |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -