Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Maio 25, 2022

Master in Intelligence dell’Università della Calabria

José Mateus
José Mateus
Analista e conferencista de Geo-estratégia e Inteligência Económica

“Roma tornou-se um grande império graças aos serviços secretos”, explicou Livio Zerbini, arqueólogo e professor

Tradução automática; o original está mais abaixo

Giuseppe Gagliano | Rende (05.03.2019)

“Roma tornou-se um grande império graças aos seus serviços secretos” 

“Roma tornou-se um grande império graças aos serviços secretos”, explicou Livio Zerbini, arqueólogo e professor, como Indiana Jones, e Pró-Reitor de Direito na Universidade de Ferrara, durante conferência  no Masters de Inteligência da Universidade da Calábria, dirigido por Mario Caligiuri. Zerbini recordou ainda, pela primeira vez, a pesquisa arqueológica que realizou na Hungria, durante a guerra fria.

Ele então destacou o papel dos serviços secretos na Roma antiga, que, juntamente com o Renascimento, ilustram a Itália no mundo. Roma – disse ele – leva em sua maior extensão na morte do imperador Trajano em 117 dC, o que representa não só um dos maiores impérios da história, mas certamente o mais antigo desde a última mais de mil anos.

O professor chegou a dizer que as estratégias postas em prática durante a história romana foram estudados na segunda metade do século XX por Edward N. Luttwak, consultor da CIA, e vários presidentes americanos. Zerbini fato diz que “os analistas têm de conhecer a história para evitar erros colossais como vimos com a demarcação das fronteiras após as duas guerras mundiais ou intervenções recentes na Ásia Central, uma área onde no século XIX ocorreu o” grande jogo “Entre os russos e os espiões ingleses”.

“Os romanos – ele lembrou – patrulhavam as fronteiras móveis por meio de órgãos especializados com infra-estruturas e sistemas, até mesmo criptografados, de transmissão de informações. Deste modo, durante séculos, as invasões, que definimos como bárbaras, foram enfrentadas, enquanto, por outro, foram consideradas migrações. Isso explica que os fenômenos atuais devem sempre ser vistos na lógica da longa duração. Na verdade, de acordo com o filósofo Rémy Brague, o futuro do Ocidente e a salvação da Europa pode ser representada pelo modelo romano da cidadania, que integrou povos e culturas com base em direitos e deveres importantes e mútuo”.

O professor passou a destacar que “os romanos tinham postos avançados dos militares e de inteligência em áreas geopolíticas estratégicas, como o Mar Negro, o que é considerado como uma extensão do Mediterrâneo e até hoje o centro de tensões internacionais.” Para Zerbini, a espionagem no mundo antigo até agora tem sido pouco estudada. Somente no final da República havia uma estrutura específica de inteligência que também servia como mecanismo de controle social.

“Na crise do sistema republicano – explicou – a manipulação da informação e espionagem desempenhou um papel, como no caso da reforma agrária Tibério e Caio Graco, que antes de ser morto foram arrastados pela lama da máquina de difamação, ou a marcha em Roma de Silla, onde as manobras do Senado foram decisivas ou ainda durante a conspiração de Catilina que, como lembra Cícero, era controlada em todos os seus movimentos. E é precisamente neste momento que Gaius Marius tinha substituído o exército de cidadãos em armas, protagonistas das grandes conquistas iniciais, com um exército formado por profissionais, muito caro para que absorveu o que hoje poderíamos indicam que 50 por cento do PIB ‘Empire. E isso também teve consequências nas operações dos serviços secretos.

Pouco depois, Cesare estrategicamente utilizado os serviços secretos nas campanhas de conquista da Gália e Grã-Bretanha, também inventar uma cifra famoso que permitiu um a compreender os textos aparentemente sem sentido, onde cada letra do texto é substituída no texto cifrado da letra que está localizada quatro lugares depois no alfabeto latino.

Augusto deu origem ao Império e com eles em uma estrutura mais estável dos serviços de inteligência com organismos especializados que coletaram informações e guardando as conspirações, que em séculos posteriores terminou com o assassinato de tantos imperadores. Um componente essencial foi representado pelo serviço postal público que, enviando mensagens em três continentes, era vital para a existência do império.

Por acaso que os romanos construíram 100.000 quilômetros de estradas – você pode considerar a Internet do tempo – e eram hábeis na construção de infra-estrutura, como na Roménia, onde, em dezoito meses, eles construíram uma ponte de mil e seiscentos metros: um exemplo para a realidade. Mas é com Trajano, chamado optimus princeps, general, político e administrador de grande valor, que tanto o império como os serviços secretos se desenvolveram da maneira mais completa “.

“Havia – diz Zerbini – o castra peregrino que coletava informações que convergiam para o prefeito do pretório e depois para o imperador. Entre os números mais significativos estavam os frumentarii, primeiro encarregados do suprimento do exército e depois usados ​​de maneira sistemática como coletores de informação. Eles desempenharam um papel decisivo durante as campanhas militares, tanto que também foram realizados na Coluna de Trajano. Havia também muitas outras figuras, como os delatores, que forneciam informações confidenciais; os mercatores, que ofereciam notícias coletadas durante atividades comerciais nos distritos do império; os especuladores, que atuavam em equipes, à noite e a cavalo, vestindo trajes civis seguindo o imperador; os exploratores, que inicialmente tarefas de reconhecimento, em seguida, tornam-se guardas do corpo do imperador, mensageiros de inteligência e, diríamos hoje, os agentes com uma licença para matar “.

Em última análise, o professor concluiu reiterando que os serviços secretos eram fundamentais para o sucesso dos exércitos de Roma e depois para a sua sobrevivência milenar. E nisso ele observou, dadas as devidas proporções, as fortes semelhanças com a história da República Veneziana de Veneza. 


“Roma è diventata un grande impero grazie anche ai servizi segreti” 

Giuseppe Gagliano | Rende (05.03.2019)

Così Livio Zerbini, archeologo e professore come Indiana Jones e anche Pro-Rettore al diritto allo studio dell’Ateneo di Ferrara, durante la lezione al Master in Intelligence dell’Università della Calabria, diretto da Mario Caligiuri. Zerbini ha dapprima ricordato le ricerche archeologiche che ha svolto in Ungheria anche durante la guerra fredda. 

Ha quindi evidenziato il ruolo dei servizi segreti nell’antica Roma, che, insieme al Rinascimento, illustrano l’Italia nel mondo. Roma – ha ricordato – assume la sua massima estensione alla morte dell’imperatore Traiano nel 117 d.C., rappresentando non solo uno degli imperi più vasti della storia ma sicuramente il più longevo poiché dura più di mille anni. 

Il professore ha quindi ricordato che le strategie poste in essere durante la storia di Roma sono state studiate nella seconda metà del Novecento da Edward N. Luttwak, consulente della CIA e di diversi Presidenti Americani. Zerbini infatti commenta che “gli analisti devono conoscere la storia per evitare errori colossali come si è potuto constatare con la delimitazione dei confini dopo le due guerre mondiali o nei recenti interventi nell’Asia Centrale, area dove nell’Ottocento si svolgeva il “grande gioco” tra i russi e gli inglesi a base di spie”. 

“I romani – ha ricordato – pattugliavano confini mobili attraverso corpi specializzati con infrastrutture e sistemi, anche cifrati, di trasmissione delle informazioni. In questo modo, per secoli hanno fronteggiato le invasioni, che noi abbiamo definito barbariche mentre dall’altro punto di vista erano considerate migrazioni. Questo spiega che i fenomeni attuali vanno sempre inquadrati nella logica della lunga durata. Infatti, secondo il filosofo Rémy Brague, il futuro dell’Occidente e la salvezza dell’Europa possono essere rappresentati dal modello romano di cittadinanza, che integrava popoli e culture in base a diritti e doveri importanti e reciproci”. 

Il professore ha poi evidenziato che “i romani avevano degli avamposti militari e di intelligence in aree geopolitiche strategiche, come sul Mar Nero, considerato come un’estensione del Mediterraneo e ancora oggi al centro di tensioni internazionali”. Per Zerbini lo spionaggio nel mondo antico è stato finora poco studiato. Solo alla fine della Repubblica è stata costituita una specifica struttura di intelligence che serviva anche come meccanismo di controllo sociale. 

“Nella crisi del sistema repubblicano – ha spiegato – la manipolazione delle informazioni e lo spionaggio giocarono un ruolo fondamentale, come nel caso della riforma agraria di Tiberio e Gaio Gracco che prima di essere uccisi vennero travolti dalla macchina del fango delle calunnie, oppure della marcia su Roma di Silla dove le manovre del Senato furono determinanti o ancora durante la congiura di Catilina che, come ricorda Cicerone, era controllato in ogni suo movimento. Ed è proprio in quel periodo che Caio Mario aveva sostituito l’esercito di cittadini in armi, protagonisti delle grandi conquiste iniziali, con un esercito formato da professionisti, molto costoso tanto che assorbiva quello che oggi potremmo indicare come il 50 per cento del PIL dell’Impero. E questo ebbe anche delle conseguenze sull’operatività dei servizi segreti. 

Poco dopo, Cesare utilizzò in maniera strategica i servizi segreti nelle campagne di conquista delle Gallie e della Britannia, inventando anche un celebre cifrario che consentiva di comprendere dei testi all’apparenza senza senso, dove ogni lettera del testo in chiaro è sostituita nel testo cifrato dalla lettera che si trova quattro posti dopo nell’alfabeto latino. Augusto diede vita all’Impero e con essi a una struttura più stabile dei servizi segreti con corpi specializzati che raccoglievano informazioni e presidiavano alle congiure, che nei secoli successivi si conclusero con l’assassinio di tanti imperatori. Una componente essenziale era rappresentata dal servizio postale pubblico che inviando messaggi in tre continenti era vitale per l’esistenza dell’impero. 

Non a caso i romani costruirono 100 mila chilometri di strade – che si potrebbero considerare l’internet del tempo – ed erano abilissimi nella realizzazione delle infrastrutture, come in Romania dove in diciotto mesi edificarono un ponte di mille e seicento metri: un esempio anche per l’attualità. Ma è con Traiano, definito optimus princeps, generale, politico e amministratore di grande valore, che sia l’impero che i servizi segreti si svilupparono nel modo più pieno”. 

“C’erano – dice Zerbini – i castra peregrina che raccoglievano informazioni che convergevano tutte al prefetto del Pretorio e quindi all’Imperatore. Tra le figure più significative c’erano i frumentarii, dapprima addetti all’approvvigionamento dell’esercito e poi utilizzati in modo sistematico come raccoglitori di informazioni. Assolvevano a un ruolo decisivo durante le campagne militari, tanto che sono stati effigiati anche sulla Colonna Traiana. C’erano poi tante altre figure, come i delatores, che fornivano informazioni riservate; i mercatores, che offrivano notizie raccolte durante le attività commerciali nelle contrade dell’impero; gli speculatores, che agivano in squadre, di notte e a cavallo vestendo abiti civili al seguito dell’imperatore; gli exploratores, che inizialmente avevano compiti ricognitivi per poi trasformarsi in guardie del corpo dell’imperatore, messaggeri di notizie riservate e, diremmo oggi, agenti con licenza di uccidere”. 

In definitiva, il professore ha concluso ribadendo che i servizi segreti sono stati fondamentali per il successo degli eserciti di Roma e poi nella sua sopravvivenza millenaria. E in questo ha rilevato, fatte le debite proporzioni, delle forti analogie con la storia della Serenissima di Venezia.


Exclusivo Tornado / IntelNomics


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -