Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

Obrigado Dona Cristas

Estátua de Sal
Economista reformado. Trabalhou como Professor universitário na empresa FEUC - Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra de 1983 a 2014

O CDS diz que vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência da catástrofe provocada pelos fogos que assolaram o país nos últimos dias. Obrigado, D. Cristas. Se o ridículo pagasse impostos a Assunção seria uma contribuinte VIP.A direita anda tão assanhada a explorar a desgraça alheia para criar alarmismo, pânico e desespero pelo país, que nem nos três dias de Luto Nacional que o Governo – e bem -, decretou em homenagem às vítimas dos fogos, concordou em interromper os trabalhos da Assembleia da República.

O choro dos familiares das vítimas, e dos muitos que perderam os seus haveres, não comove a comandita da direita. Não, eles – quais vampiros -,  querem sangue, o sangue de Costa, o sangue da Ministra da Administração Interna, para temperar os cadáveres das vítimas.

E na orquestração da peça dantesca em que navegam têm a prestimosa colaboração das televisões, soprando nas imagens que emitem chamas já apagadas. Passámos hoje, todo o dia a ver imagens de chamas que já não existem porque foram já apagadas pelas chuvas que caíram esta madrugada. Mas eles querem fogo, chamas e espectáculo de destruição que só interrompem para passar a menina do Trivago e outros anunciantes que tais que lhes pagam a broa. E quando não é do fogo, directamente, que falam, é da contabilidade dos mortos. A SIC interrompe sempre que mais um morto é referenciado: parece que tem um cronómetro necrófago ligado ao écran para dar conta ao milímetro do avanço da tal contabilidade macabra.

Tentar fazer aproveitamento político de toda esta desgraça que atingiu o país é uma torpeza e uma infâmia que que só desonra e desmascara aos olhos dos portugueses quem a promove. Quando o país, em uníssono, se devia agregar contra o infortúnio, chorar os mortos e tratar dos vivos – como em tempos disse o Marquês de Pombal, aquando do terramoto de 1755 -, o que vemos é que as forças políticas da direita cavalgam a desgraça alheia fazendo dela arma de arremesso político. Os arautos desta direita indigente, não são miseráveis, porque na miséria ficaram sim os que tudo perderam nos incêndios, mas são eticamente miseráveis nos seus comportamentos e opções.

Acresce que, sendo unânime entre os especialistas, que o problema da proliferação de eucaliptos é uma das causas mais marcantes na ocorrência de incêndios, e tendo Assunção Cristas, titular que foi da pasta da Agricultura no anterior Governo liberalizado totalmente o plantio de eucaliptos – para gáudio do lobby das celuloses -, devia Assunção ter vergonha na cara – que não tem -, quando cavalga os fogos que ela própria ajudou a atear.

Mas, ainda assim, o tiro deverá sair-lhes pela culatra. Se tensões existissem dentro da Geringonça – e acreditamos que sim -, elas irão ser de imediato sublimadas no apoio que à esquerda irá ser dado previsivelmente ao Governo, aquando da votação da dita moção de censura.

Deste modo, ó Dona Cristas, a Geringonça agradece, reconhecidamente, a sua moção. Não há nada melhor para reforçar um casamento enfraquecido do que a aproximação de um inimigo comum a pôr as garras de fora.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -