Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Fevereiro 24, 2024

“Os Remadores” de Vana Vopamuzi

Delmar Gonçalves, de Moçambique
Delmar Gonçalves, de Moçambique
De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.

Algumas notas Circulares sobre “Os Remadores” de Augusto Esteve  em jeito de Prefácio

Dentro de mim há silêncios que cantam.”
DMG

Das misteriosas terras de Sofala ali mesmo junto ao Índico  surge-nos um jovem autor moçambicano construtor da utopia da nação moçambicana.

Poesia com muita verve, musicalidade e melodia.

Uma utopia que se vai construindo no dia a dia repleta de contrastes e assimetrias, sempre com suor e labor. E há aqui uma ânsia da construção no edifício geracional da poesia, mas sem pressas, nem presunção.

O poeta constrói-se serenamente, mas num mar turbulento.

É sempre bom e seguro não confundir ânsia de escritor com ânsia de fama e visibilidade, sempre efémeras. Aqui há labor, humildade e despretensiosismo.

Nota-se uma inquietação constante contra a passividade dominante, fazendo lembrar Delmar Maia Gonçalves que diz convicto “Imigro constantemente de mim para mim mesmo”. Mais uma voz inconformada que nasce das entranhas do silêncio. Um silêncio da mortalha porque fere, porque dói, porque acorda, porque grita, porque reclama, porque chora, porque balbucia.

E as noites longas teimam em permanecer:

…Noites onde o silêncio é o nosso amigo,
Noites do eco silencioso,
Noites onde falamos com o ar…
Noites onde a escuridão nos abraça
Os homens nos abandonam,
As feras nos acolhem,
…”

Creio que a chave da leitura  desta obra poética nos remete para a geografia microcósmica do poeta – remador que se confunde com o país real. Profético vai avisando este vate marejante:
Não importa se sabes remar
Se és do litoral
Se és do interior,
Quando o dia chegar todos temos
Uma  canoa para remar,
Rumo ao alto mar.”

Estou certo que os remadores chegarão ao seu destino, na longa construção do edifício de um futuro que este ávido poeta – remador reivindica. Sem esquecer o que Delmar Maia Gonçalves diz : “A inteligência dos poetas e escritores precisa de viver num mundo mais amplo do que esse a que as sociedades em que vivemos traçaram tão mesquinhos limites.”

Por isso acredito piamente que ninguém ficará indiferente a esta poesia – “explosão  e  grito”, que se lê de um só fôlego e que nos obriga a ler, reler, degustar e reflectir.

De resto concordando com o que dizia Elbert Hubbard, “Não crie desculpas – fale menos, faça mais e realize algo na vida.”

Bayete poeta, em frente!

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -