Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

Palavras Acorrentadas

Poema inédito de Alice Coelho

Palavras Acorrentadas

Desata as mãos
Enxuga as lágrimas
Que rolam cansadas
Nas faces marcadas
Salgadas pelo tempo
Incrustadas no corpo
Arrastadas pelo vento
O olhar cravado no teu
Liberdade de perceber
Tudo o que não foi meu.
Desata
Desamarra
Solta
As palavras acorrentadas
Em alaridos desaforados
Nas gargantas afogadas
Pelos silêncios doseados.


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorO silêncio das Pedras
Próximo artigoAfago(te)
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -