Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Dezembro 6, 2022

Schäuble queria sanções para Portugal já em Maio

Schauble
Para o ultra-liberal Schäuble, a decisão tomada pela CE de dar mais tempo aos países da Península Ibérica para reduzirem os seus défices “não contribui para impulsionar a confiança” na Europa.

Em declarações à Bloomberg, à saída de uma reunião do Ecofin, esta quarta-feira, 25 de Maio, Schäuble deu azo às suas críticas publicamente. Recorde-se que a CE adiou, na passada semana, a aplicação de sanções a Portugal e Espanha, para depois do Verão. As sanções serão aplicadas, segundo a Comissão, caso Portugal não apresente, já este ano, novas medidas para corrigir o seu défice, e Espanha não faça o mesmo até final do ano que vem.

No entanto, a CE prometeu voltar a analisar o assunto no próximo mês de Julho, após as eleições em Espanha.

 

França com défice de 3,6% escapa a sanções

Na mesma linha, Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, já havia, um dia antes, alertado Portugal para o “trabalho árduo” a fazer, acrescentando que as sanções aos vizinhos ibéricos são “absolutamente uma possibilidade”.

Na base das sanções, estará o facto de o défice português ter ficado acima dos três por cento, definidos nas regras europeias. Refira-se, a propósito, que, a 17 de Maio, o instituto de estatística francês reviu em alta o défice orçamental daquele país, em 2015, de 3,5 para 3,6 por cento do PIB. Não houve ainda notícias de eventuais sanções ao Estado francês.

Leia também o artigo publicado em Fevereiro deste ano

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -