Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Janeiro 18, 2022

Soam os tantans da guerra

Delmar Gonçalves, de Moçambique
De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.

Poemas de Delmar Maia Gonçalves

I

Soam os tantans da guerra
e o rosto da morte
revisita
solo pátrio.

 

II

Na Gorongosa
o medo amanheceu
fantasmas de morte
e a vida congelou
almas de desespero.

 

III

Sempre vivi noites geométricas
mas nunca consegui tê-las simétricas
Umas mais verdes
e outras demasiado cinzentas
A escuridão tomou conta
do espaço que não me pertence.

 


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorPenínsulas
Próximo artigoVai
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

In fraudem legis

Crise avança com Bolsonaro

Clube Bilderberg

Titãs cantam: “Comida”

- Publicidade -