Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Julho 21, 2024

Soldados portugueses terminam hoje o Exercício Zarco na Madeira

zarcoComandos portugueses prontos a entrar numa força aliada

Teve lugar nas ilhas da Madeira e do Porto Santo, entre os dia 13 e 20 de Novembro, o exercício militar de tropas especiais portuguesas “Zarco 2015”. Estes treinos militares serviram para “afinar” os militares portugueses para uma possível participação numa força aliada, nos ataques ao Estado Islâmico (EI), no Médio Oriente.

Esta manhã, em Bruxelas, o clima na reunião dos ministros do Interior dos 28 Estados Membros, da União Europeia era tenso e apreensivo. Muito nervosismo.

O ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, pediu ajuda aos seus parceiros nos ataques aos terroristas e esclarecia que “todos devem apertar a vigilância nas suas fronteiras, porque as ameaças terroristas não pairam única e exclusivamente sobre a França”.

Parece que os pilares da liberdade, fraternidade e igualdade, que tanto caracterizam a Europa, se estão a desmoronar à velocidade da luz. E as fronteiras começam a edificar-se um pouco por todo o lado, ignorando os milhares de refugiados sírios e iraquianos que fogem do terror da guerra e dos jihadistas fanáticos que matam em nome do profeta Alá.

zarco2Soldados na operação “Zarco 2015” na Madeira

Enquanto os aliados não aparecem para ajudar a França no terreno, o governo de François Hollande infiltrou soldados da Legião Francesa na frente de combate na Síria e Iraque. Com as tropas russas e de Assad na Síria e com os curdos no Iraque. Uma estratégia militar que está a surtir algum efeito, uma vez que os jihadistas vão perdendo algumas cidades importantes.

O que dá para perceber é que os líderes europeus vivem num clima de terror perante os atentados que ocorreram na França e no Líbano. E a União Europeia atravessa uma crise profunda e demonstra que não sabe como lidar com o terrorismo global e com uma guerra química.

Seja como for, com o final dos exercícios militares “Zarco 2015” as tropas especiais portuguesas estão disponíveis para fazer parte de uma missão internacional no Médio Oriente. Isso é tão claro como a água do Oceano Atlântico.

E pelo que se sabe, o tráfego aéreo na base aérea dos Açores tem aumentado imenso nos últimos dias. Nada disto se deve à época natalícia que se aproxima, como é óbvio.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -