Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Maio 26, 2022

Revolução automóvel: quem ganha e quem perde?

Nélson Abreu, em Los Angeles
Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

Veículos eléctricos

Estas frotas de automóveis servirão, ainda, como central de distribuição eléctrica, tornando-se  parte de uma rede eléctrica inteligente, ou “enernet”. Enquanto estão estacionados e ligados a esta rede, as baterias de milhares de veículos poderão armazenar eletricidade distribuindo-a mais tarde.

Quando o preço baixar dos actuais 150.000 Usd[1]  estes  veículos formarão  frotas  colectivas ao nível dos municípios, das regiões ou, mesmo, das nações. A partir desse ponto, deixaremos  de ser proprietários de um automóvel ou passageiros de um Uber… Seremos apenas usufrutuários desta frota.

Isto provocará a elevadíssima perda de postos de trabalho.  O condutor de camião, o taxista, o trabalhador das indústrias automóveis e relacionadas, entre tantos outros, verão os seus postos de trabalho cair. Esta diminuição  arrecadará cada vez mais problemas para o Estado (menos impostos) e para as empresas (menos consumo). Em breve ser servido por um ser humano qualificado será um enorme luxo. A máquina pode fazê-lo mais economicamente mas sem o toque humano.

Haverá outras vantagens para a economia. Redução dos níveis de poluição. Menos atrasos, custos mensais mais baixos, aumento da qualidade de vida dos cidadãos. Os transportes comunitários autónomos representarão uma forma muito mais segura de viajar libertando o ex-condutor para o lazer, descanso ou produtividade.

Agora só falta saber quem vai ganhar com tudo isto. Se, realmente, o Estado, ou os operadores privados detentores do monopólio da tecnologia.

[1] Aproximadamente 140.000 Euros

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -