Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 5, 2022

O espelho que nos emagrece

Vítor Burity da Silva, Angola
Vítor Burity da Silva, Angola
Ph.D em Filosofia das Ciências Políticas. Pós Doutorado em (Educação e Psicologia). Doutor Honorário em Literatura e Filosofia. Professor Honorário de Filosofia da Educação. Professor Catedrático. Investigador da Universidade de Évora. Membro da Sociedade Portuguesa de Filosofia. Membro da Associação Portuguesa de Escritores. Escritor.

E como não poderia deixar de ser a permanente presença do espelho

Tempos em que ouvia Chopin e soletrava Mozart, lia nos recônditos mais salubres do sal sóbrio das paredes que me refugiavam, nos tempos em que a cor da areia se sobrepunha ao morrer enquanto me perdia ouvindo de todos os lados o reflexo necrófilo dos abutres nestas paredes que me escondiam o mundo, espelhos de vidro nos meus olhos penetravam sem que eu soubesse da minha imagem, ali, especada nas vitrines do insucesso descritos apenas por quem nem sequer me conhece, pensava

“o espelho que nos emagrece”

e que apenas me olha num soslaio pobre, pontos de vista à luz de noites que nunca se acendem, sim, esses, moram as mais recatadas ignorâncias dos verbos opinar e esgrimir, nuvens de pardos num rosto de ciganos na estação de comboios vagabundear vigarices de estoiro como um rés do chão qualquer.

Vemo-nos apenas num espelho que reflecte o vazio do que exista à nossa volta, todos os nadas preenchem vaidades voláteis como hangares disfarçados e navios enfileirados partem devagar, sim, a viagem será longa. Será sempre longa pensando assim. Vendo assim. Ouvindo assim. Nada é mais que apenas esse restolho de estóicos na vitrine de vícios soletrados como ecos do nada.

“o espelho que nos emagrece”

Às avessas sentenças, ritmos triviais regentes do comum e da idolatria para que asnos se cansem nunca, essa estirpe difusa que vinga a cada passo arreliante a cada momento, essa chuvinha devastadora a consumir-me devagar as vinhas que há anos alimento com amor.

“apetece despedir-me de tudo, sabes?”

Deixar de lado o brilho dos sonhos, fugir das vozes ao fundo dos canos deste arrepiante rosnar permanente, esta cantiga para moradores do ligeiro e do sofismo dos sonhadores de nadas, dos que se convencem ser, dos que nada são a não a não ser um permanente arrelio nas minha infecundas caminhadas nestas avenidas do sono. Apetece-me dormir até sempre para que descanse de mim, de ti, dos outros, das imagens da televisão que tanto me irritam, dos relatos radiofónicos que me ensurdecem, dos mares que nunca encontro, isso, sabes?

E como não poderia deixar de ser a permanente presença do espelho, esse invólucro sem pólvora que me faz sentir apenas asnos e cansaços, esse cheiro mordaz que me ilumina a cada dia como se me fizessem sentir o soldado enjaulado nas florestas de todos os mundos errados.


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -