Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 15, 2022

Oco Silêncio

Poema inédito de Alice Coelho

Oco Silêncio

Calas porque te sentes sábio
Nas masmorras de um castelo
Desfolhas poemas no alfarrábio
Emaranhas os dedos no cabelo
Asfixias a vida no passado cruel
Mastigas palavras para salivares
Rodopias parado nesse carrossel
Não és anjo, muito menos arcanjo
Nem pastor no monte a tocar flauta
Talvez poeta que se rege pela pauta
Oco Silêncio
É sufoco na garganta
É mordaça na boca
É estrangular palavras
É tocar com a mão
O olhar estendido no chão


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -