Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021
- Publicidade -

Nome do autor

Delmar Gonçalves, de Moçambique

De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.
138 Artigos
0 COMENTÁRIOS

Massacre em Díli

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Tenho medo..." Tenho medo do silêncio profundo da noite tenho medo de escutar alguém em voz alta tenho medo de um fantasma que penetra na noite tenho...

Vozes anoitecidas pelo silêncio

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Mussa Bin Bique" Entre o orvalho paradisíaco lúcido e transparente da ilha mora um xirico. No canto melodioso do pássaro dorme o paraíso. II Eu nunca fui soldado nunca usei farda Mas...

A Solidão

Um famoso cantor francês afirmou numa das suas canções : « A solidão não existe.» No entanto, esta intrigante mensagem de esperança não convence os...

Ambição Menor

Poemas de Delmar Maia Gonçalves XVI As sinuosidades da estrada não silenciam o invisível herói que mora em mim pois abjuro a raposa feita homem e recuso a rendição. XVII Na poeira da vida as marcas de água não...

Lua

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I Repousam em mim velhos Imbondeiros comigo sentado a beira de uma Oliveira. II Sou um Imbondeiro e a lua é minha irmã na selva do mundo. III "Missão" Quero reunir a...

O fragmento (Eu)

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "O fragmento (Eu)" Sou fogo e lava Os fragmentos de que sou composto reclamam um pedaço da esfera do nosso caos. "Vida renasceu em Nicoadala" Os pássaros acordaram esperanças a...

Eu, os marinheiros e o porvir

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Eu, os marinheiros e o porvir" Os marinheiros como eu remaram, remaram, remaram Mas uma bela tarde os marinheiros pararam de remar estranha e misteriosamente...

Meu sangue

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Meu sangue" Tudo começou aqui minha alma de poeta minha aura de africano minha alma mestiça incolor de negro e branco feita de adição Descobri acenos da...

O ilegal

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "O ilegal" Meu irmão semeou a morte em território sagrado Construi uma jangada de esperança entreguei-me ao oceano em busca de porto seguro Mas escrito estava em mar...

Bálsamo

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Bálsamo" Quando todas as portas se fecham Quando todos os caminhos se encurtam Só nos resta a solidão plural do berço umbilical como bálsamo revigorante.   "Arco-Íris Humano" Com tenra idade já me apercebera da beleza...

Dois cravos..

Poemas de Delmar Maia Gonçalves LIII E se inconformados formos renasceremos das cinzas da tristeza inundando o deserto com esperança!   "Dois cravos.." Dois cravos sobre a mesa um para mim e...

Bradam os céus…

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Bradam os céus..." Oh, bradam os céus crianças morrem a míngua de pão e ninguém faz nada! Oh, bradam os céus todos se insultam e ninguém tem...

Pudessem

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Pudessem" Pudessem os bons compreender que o silêncio é também o suicídio das almas vindouras Pudessem os bons interiorizar que só a união faz a...

Perguntarei ao Cristo

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Perguntarei ao Cristo" Se um dia puder perguntarei ao "Cristo" porque o pintam branco os homens do norte Perguntarei ao "Cristo" porque será que sendo judeu, o...

Deixem-me sonhar

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Batuque rima com esperança" Onde há batuque há festa e onde há festa há tilintar acelerado dos corações Onde há batuque há África e África... é amor, é alegria, é desejo, é...

Últimas notícias

- Publicidade -