Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 26, 2021
- Publicidade -

Nome do autor

Delmar Gonçalves, de Moçambique

De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.
139 Artigos
0 COMENTÁRIOS

Deixem-me sonhar

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Batuque rima com esperança" Onde há batuque há festa e onde há festa há tilintar acelerado dos corações Onde há batuque há África e África... é amor, é alegria, é desejo, é...

Criança, Mulher e Filha

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Criança, Mulher e Filha" Para a Luna Delmar (minha filha) Queria contar-te o quanto este mundo é belo Queria contar-te quanta alegria trazem as crianças que...

Dualismo

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Dualismo" Trazemos connosco o peso do bem e do mal Dentro de nós habitam o paraíso e o inferno que disputam predomínio Somos os misteriosos peões da partida de xadrez que um...

O campo e Eu

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "O campo e Eu" Entre o campo e Eu há uma ponte segura e larga Sobre ela Estrelas-do-mar me enredam.   II Poeta...! Não te esqueças nunca que amanhã podem o sol e...

Ser perseverante na vi(r)agem

Poemas de Delmar Maia Gonçalves "Ser perseverante na vi(r)agem" Era uma vez um homem e uma casa Cedo o visitou Proserpina e o Deus Baco a destruiu e foi roubada ao vento quando llhe...

Com seu rosto

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I Com seu rosto de morte anunciada que nos visita diariamente A noite abraçou-me Soprou forte o vento do Norte levantando a poeira do desespero a Sul E a lua surgiu...

Quando a perdiz canta

Poemas de Delmar Maia Gonçalves XX Quando a perdiz canta acorda toda a floresta.   XIII Corvo de mau agoiro traz mensagens de morte.   V A esperança repousa inquieta na pedra do mundo.   "Poeta solitário" Cantemos a beleza e o espanto Pois solitários permaneceremos.   "Rosto...

Ontem os chuviscos de lágrimas

Poemas de Delmar Maia Gonçalves XXXVI Ontem os chuviscos de lágrimas apagaram o rastro das gotas da minha biografia.   XXXVII Os Deuses sussurram-me que moram nas pedras que nos observam.   XL Na viagem descobri que...

Voa

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Voa" Tens tua vida presa nas asas do vento Voa pássaro livre voa!!!   II "Pensamentos" Meus pensamentos não são imóveis são como as ondas do mar Só não andam ao...

Quando o silêncio

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I Quando o silêncio faz silêncio vejo o silêncio gritar no silêncio.   II Há silêncio do silêncio nas entranhas do meu silêncio.   III Viver no exílio atormenta-me o coração Oxalá meu Deus, me devolvas às planícies...

O regresso adiado de Malfez Razão Cassamo

"O melhor de uma verdade é o que dela nunca se chega a saber" Vergílio Ferreira Malfez Razão Cassamo ia para Lisboa, viver na Freguesia de...

Minha pátria

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I Minha pátria é o rio dos Bons Sinais Por lá navego com a constância das ondas Foi lá que bebi sura dos seios de Augusta Era doce...

Mamã

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I Mamã deixa-me gritar a voz da revolta amordaçada pelo tempo Não quero que a esperança morra Porque em mim acordou insónias!   II "Vozes" Vozes ancestrais me murmuram Com que propósitos me murmuram? Vozes ancestrais me...

Céu Africano

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Céu Africano" O céu nem sempre é cinzento Por vezes chega a ser azul Nunca é verde Apesar da morte há o parto.   II "Inventário de mim" Fiz um novo inventário de mim...

Em Moçambique…

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Em Moçambique..." Em Moçambique ainda há Corvos de mau agoiro com sorrisos de Hienas e um voraz apetite de Abutres.   II Em Homoíne destilam-se lágrimas no vapor do tempo das balas.   III "Vida...

Últimas notícias

- Publicidade -