Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Setembro 23, 2021

Cerimônia de abertura: O jogo das Olimpíadas é o soft power

Os jogos são há muito tempo uma plataforma para o soft power: o uso da cultura e dos valores para moldar as opiniões das pessoas a fim de alcançar resultados políticos – especialmente internacionalmente.

por Jack Anderson, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Os Jogos Olímpicos são frequentemente saudados como uma celebração neutra das conquistas atléticas. “Os Jogos Olímpicos não são sobre política”, escreveu o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, no Guardian no ano passado.

Na realidade, os jogos são há muito tempo uma plataforma para o soft power: o uso da cultura e dos valores para moldar as opiniões das pessoas a fim de alcançar resultados políticos – especialmente internacionalmente.

Independentemente de quantas medalhas sejam ganhas ou perdidas, este é o verdadeiro jogo das Olimpíadas.

E para o país anfitrião, a cerimônia de abertura oferece uma plataforma incomparável para a construção de soft power.

O maior evento artístico do mundo

Incluída nos Jogos Olímpicos desde 1906, a cerimônia de abertura combina pompa, ritual e performance. Com componentes essenciais exigidos pela Carta Olímpica, incluindo um programa artístico e um desfile de nações, a cerimônia oferece uma oportunidade única para o país anfitrião traçar uma narrativa cultural sobre si mesmo.

Nenhum outro evento artístico no mundo oferece acesso imediato a um público tão grande de telespectadores globais. Em 2016, 3,6 bilhões de telespectadores assistiram à cerimônia de abertura do Rio de Janeiro pela televisão.

Consequentemente, a cerimônia de abertura aumentou em tamanho, escopo e despesas nos últimos anos. Demonstrações de dança, música e teatro são explicitamente planejadas para deslumbrar os espectadores, ao mesmo tempo que apresentam uma imagem politicamente estratégica para o mundo.

A cerimônia de abertura de Pequim em 2008 apresentou a China como um modelo de espetáculo e colaboração nacional. Dirigido pelo cineasta Zhang Yimou com um custo de US $ 100 milhões (A $ 135 milhões), o evento durou mais de quatro horas e contou com 15.000 artistas. Em uma sequência de cair o queixo, 2.008 bateristas chineses tocaram em uníssono perfeito.

Para a cerimônia de abertura de 2004 em Atenas, a Grécia se esforçou para destacar sua herança e conexão com os Jogos Olímpicos da antiguidade. O programa incluiu projeções do estádio usado nos jogos originais, um cometa em chamas que delineou os anéis olímpicos em fogo e uma reconstituição abstrata da progressão da civilização grega.

Na abertura dos Jogos de Londres de 2012, a Grã-Bretanha optou por enfatizar seu legado musical nacional, com apresentações de Paul McCartney, Sex Pistols e Arctic Monkeys. Em um aceno adicional à cultura popular britânica, a Rainha Elizabeth II e o ator de James Bond Daniel Craig pareceram pular de um helicóptero.

Transmitindo a imagem perfeita

A última vez que o Japão sediou os Jogos Olímpicos de Verão foi em 1964, e as apostas eram excepcionalmente altas. Após a vergonha da segunda guerra mundial e a subseqüente exclusão do Japão dos jogos de 1948, Tóquio 1964 foi a chave para seus esforços para restabelecer uma reputação internacional positiva.

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 1964 foi a primeira a ser transmitida ao vivo para todo o mundo

Com o desenvolvimento da tecnologia de satélite, os jogos de 1964 também foram os primeiros a serem transmitidos ao vivo. A cerimônia de abertura foi repentinamente uma chance de mostrar o que há de melhor no Japão para um público mundial.

Simbolizando a nova era do Japão, a tocha olímpica foi carregada para a cerimônia por Yoshinori Sakai, nascido em Hiroshima no dia em que a cidade foi bombardeada em 1945.

Devido à oportunidade de acessar milhões de telespectadores internacionais de uma vez, as cerimônias de abertura se tornaram uma ferramenta poderosa de diplomacia cultural.

Mas essa plataforma pública também tem seus riscos, e o custo diplomático de qualquer incidente que contradiga a imagem cuidadosamente selecionada de um país pode ser extremo.

Considere o desastre da pomba na cerimônia de abertura de Seul em 1988, quando dezenas de pombas foram acidentalmente incineradas pela chama olímpica ao vivo na televisão.

Contando perdas

O Japão já enfrentou dificuldades que ameaçam manchar sua imagem olímpica. Após um adiamento de um ano, os custos dos jogos deste ano podem ultrapassar US $ 26 bilhões (A $ 35 bilhões).

Com restrições significativas aos espectadores, o Japão não se beneficiará do impulso típico de turistas internacionais. Isso torna os ganhos potenciais de soft power do país com a cerimônia de abertura televisionada ainda mais cruciais para justificar o investimento financeiro.

Mas até o espetáculo televisionado acontecerá em meio a polêmica. Apenas um dia antes da Cerimônia de Abertura, o diretor do evento, Kentaro Kobayashi, foi demitido por causa de um vídeo de 1998 no qual ele brincava sobre o Holocausto.

Kobayashi é o terceiro artista de alto nível associado à Cerimônia a sair. O diretor criativo Hiroshi Sasaki renunciou em março após chamar uma celebridade de tamanho grande de “Olympig”, enquanto o compositor Keigo Oyamada saiu na segunda-feira devido a um bullying histórico.

Em 1964, o estádio estava lotado. A cerimônia de abertura será muito diferente este ano

O sucesso do Japão em construir um poder brando também será inevitavelmente diminuído pela pandemia. O programa artístico da Cerimônia de Abertura acontecerá em uma arena praticamente vazia – um lembrete do custo da pandemia em termos de vidas e nossa capacidade de nos unirmos.

Cada equipe sorridente de atletas internacionalmente competitivos durante o Desfile das Nações também será vista em comparação com os esforços (e fracassos) de sua nação para gerenciar o COVID-19.

Enquanto isso, o Comitê Olímpico mantém uma lista contínua de atletas e funcionários que foram infectados no Japão. Mesmo antes da Cerimônia de Abertura, a lista já chega a mais de 100.


por Jack Anderson, Professor de Direito Desportivo, Escola de Direito de Melbourne, Universidade de Melbourne  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -