Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Janeiro 24, 2022

O sistema médico dos EUA ainda é assombrado pela escravidão

História negra da medicina ajuda a explicar porque é que as mães negras estão a morrer em taxas alarmantes.

Os EUA são o país industrializado mais perigoso para dar à luz, e as disparidades raciais na mortalidade materna tornam ainda pior para as mulheres de cor. As altas taxas de mortalidade materna nos EUA continuam a ser um tema preocupante para os investigadores. O novo relatório da ProPublica (Nothing Protects Black Women From Dying in Pregnancy and Childbirth) aprofunda esta tendência alarmante. De acordo com o Centers for Disease Control and Prevention (CDC), as mães negras que dão à luz nos EUA morrem três a quatro vezes mais do que as mães brancas. Essa é uma das maiores disparidades raciais na medicina hoje em dia.

Embora muitas das desigualdades na medicina possam ser atribuídas a factores económicos como o acesso a bons cuidados de saúde, os estudos demonstraram que os pacientes de minorias étnicas tendem a receber uma menor qualidade de atendimento do que as não-minorias, mesmo quando têm os mesmos tipos de seguro de saúde e a mesma capacidade de pagar pelos cuidados.

Para melhor entender esta questão, o jornal online Vox e a organização sem fins lucrativos ProPublica dão a conhecer algumas histórias sombrias da raça e da medicina feminina. Desde a experimentação de escravos da ciência médica às campanhas de esterilização forçada em comunidades negras e pobres, os vestígios de abuso continuam a perseguir o sistema médico e dar contexto às disparidades raciais actuais.

A história das mulheres negras é importante para a medicina.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -