Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 6, 2022

Brasil: Não respeitar a universidade é impedir jovem de ter oportunidade

Na manhã desta quinta-feira (10) a União Nacional dos Estudantes (UNE) completou 80 anos e foi homenageada no Congresso Nacional por sua história que se confunde com a do próprio Brasil. O destaque ficou por conta da continuidade da luta pela democracia no país, diante do atual cenário de ilegitimidade política.

A sessão enalteceu o caráter histórico e político da UNE que desde 1937, quando foi criada, vem mostrando resistência e vitalidade na luta pela democracia e pelos direitos dos estudantes, principalmente em momentos antidemocráticos, como durante a ditadura militar e o golpe de Michel Temer em 2016.

Durante o seu discurso, a presidenta da UNE, Marianna Dias, destacou que a entidade nasceu da necessidade dos estudantes de terem uma entidade nacional que não falasse somente de educação, mas que se preocupasse também com o Brasil e com o mundo. Foi assim, que ela se configurou como uma instituição de 7 milhões de universitários.

Por meio da luta constante, a entidade já reúne conquistas e avanços para os jovens brasileiros, como a criação do ProUni, que garante bolsas em universidades particulares para estudantes de baixa renda, e o Reuni, programa de expansão das vagas em universidades públicas. Além das políticas do Fies e de cotas nas universidades.


Marianna Dias durante sessão em homenagem aos 80 anos da UNE no Congresso 


Somos a UNE da luta contra o nazifascismo, do Petróleo é Nosso, do CPC e a UNE que combateu a ditadura militar e sangrou para que a democracia revivesse. Somos a UNE da democratização do Brasil, do Fora Collor, dos 10% do PIB para a educação e do Pré-Sal. Somos uma UNE de muitas vitórias” Disse Marianna Dias.

Já a vice-presidenta da entidade estudantil, Jessy Dayane, disse que em um momento de golpe no país é preciso mobilizar os estudantes e garantir a diversidade nas universidades, com a participação de pobres, negros, indígenas, quilombolas e LGBTs.

Governo ilegítimo

Diante do grave cenário político nacional, a sessão ganhou caráter de ato político pelo Fora Temer, em defesa dos direitos e pelas Diretas Já.

A entidade já vinha se manifestando duramente contra o governo federal, contra as reformas trabalhista e da previdência, defendendo a saída de Michel Temer om a convocação de novas eleições para reconstrução democracia nacional.

Temos hoje a coragem de dizer que também somos a UNE do Fora Temer, que também somos a UNE que defende a soberania do nosso país e que clama por democracia e que resistirá sobretudo, para que a universidade pública continue sendo um patrimônio inegociável para o povo brasileiro e digo: não permitiremos que nenhum ataque seja feito sobre ela, nem cobrança de mensalidade, nem sucateamento ou projeto que visa a privatização porque um país que não respeita a sua universidade pública é um país que impede a juventude e o povo de sonhar e ter oportunidades. A universidade brasileira é o patrimônio do povo” Concluiu Marianna Dias.

Participações

Participaram da homenagem importantes atores na luta estudantil, como parlamentares de diversos partidos, representantes da sociedade civil e dos movimentos sociais.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), discursou durante o evento e frisou que a UNE é uma das mais tradicionais e importantes instituições que teve participação decisiva na vida nacional. O deputado também citou o verso do hino da UNE, escrito por Vinicius de Moraes e Carlos Lira que diz que a entidade reúne futuro e tradição.

A universidade vive momentos duros e de risco a sua autonomia com o estrangulamento das instituições e tudo isso pode ser posto em cheque pela conjuntura . O ataque às universidades voltou agora com a possível perda da gratuidade, logo agora que estavam a se pintando de povo, de negros. Por isso, é tão importante renunciar a UNE, para que ela possa cumprir com sua missão histórica: de defender a democracia que sofreu um ataque e sustentar a universidade brasileira, colaborando para o desenvolvimento nacional” Disse Orlando Silva, que foi presidente da entidade em 1995.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) destacou o papel das mulheres na UNE que hoje, com presidenta e vice-presidenta, se mostram combativas e corajosas para ajudar a nação na recuperação da democracia que foi atingida por um golpe.

Por Verônica Lugarini | Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Boa pergunta

VER…

Além Tejo (1)

- Publicidade -