Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

Angola, a nossa Israel

João Vasco Almeida

Se o governo de Lisboa é um, o discurso é assim-assim. Se é outro, o discurso é assim-assado. A condenação de vários homens, acusados de conspiração contra o regime, faz soar badaladas. Ou que a resposta de Lisboa é fraca, ou forte, ou neutra ou, ainda hipócrita.

Estamos no domínio do colonialismo serôdio. Não temos responsabilidade directa sobre o que Angola e os angolanos querem para o seu futuro. Deve ser claro que, desde há 40 anos, os portugueses tiveram, emagadoramente, duas posições sobre Luanda: partidária, quando o MPLA se opunha à UNITA e, depois, de aproveitadores de dinheiro fácil de diamantes e petróleo. Isabel dos Santos, por exemplo, é o nosso Buffett, (não bufete), a quem tratamos com reverência monetária e desprezo pessoal.

A condenação de Domingos da Cruz, Luaty Beirão e mais 15 pessoas, num julgamento que ora se apelida de político, é só mais um sintoma de um poder que está nas cadeiras dos palácios há 40 anos, sem o largar. Angola não é uma democracia, disso não há discussão que aguente os factos.

Mas o papel de Portugal não pode ser do velho senhor da guerra que sanciona ou critica, com uma moralidade desconchavada e sem grande legitimidade. Santos Silva e Marcelo bem podem comunicar cartas de intenções, mas Angola cabe aos angolanos.

Luaty Beirão, um dos condenados em Luanda
Luaty Beirão, um dos condenados em Luanda

Obama teve o mesmo problema com Israel. Detestando Benjamin Netanyahu, o presidente norte-americano fartou-se de mandar mensagens anti-guerra, contra o poder cego de Tel Avive e os desmandos autoritários em defesa de um país criado a régua e esquadro depois da Segunda Guerra Mundial. Mas basta que Trump ganhe as eleições (ou Hillary) para que os israelitas voltem à ribalta das simpatias.

Desconheço Luanda, Benguela, todo o povo e o país. Julgo que seria sensato da antiga “Metrópole” não se indignar tanto sem ter vontade de fazer coisa alguma – como limitar a circulação de capitais duvidosos. Mas enquanto isto se cingir ao parole parole, os angolanos decentes, democratas e livres bem podem esperar. De Lisboa, apenas acenos descomprometidos, por detrás do leque, como se fôssemos virgens à procura do melhor partido, que case connosco e nos sustente as despesas de sapatos, vestidos, lingerie e alguma verve senhorial.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -