Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Ivermectina: droga milagrosa ganhadora do Nobel – mas não para covid

Embora a ivermectina tenha mudado o jogo para pessoas com certas doenças infecciosas, ela não vai salvar os pacientes da infecção por covid-19. Na verdade, isso pode custar-lhes a vida.

por Jeffrey R. Aeschlimann, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A ivermectina é uma droga milagrosa com mais de 30 anos de idade que trata infecções parasitárias que ameaçam a vida e a visão. Sua influência duradoura na saúde global foi tão profunda que dois dos principais pesquisadores em sua descoberta e desenvolvimento ganharam o Prêmio Nobel em 2015.

Sou farmacêutico de doenças infecciosas há mais de 25 anos. Também cuidei de pacientes que atrasaram o tratamento adequado para suas infecções graves por covid-19 porque pensaram que a ivermectina poderia curá-los.

Embora a ivermectina tenha mudado o jogo para pessoas com certas doenças infecciosas, ela não vai salvar os pacientes da infecção por covid-19. Na verdade, isso pode custar-lhes a vida.

Deixe-me contar uma pequena história sobre a ivermectina.

Desenvolvimento de ivermectina para uso animal

A ivermectina foi identificada pela primeira vez na década de 1970, durante um projeto de triagem de drogas veterinárias na Merck Pharmaceuticals. Os pesquisadores se concentraram em descobrir produtos químicos que poderiam potencialmente tratar infecções parasitárias em animais. Parasitas comuns incluem nematóides, como platelmintos e lombrigas, e artrópodes, como pulgas e piolhos. Todos esses organismos infecciosos são bastante diferentes dos vírus.

A Merck fez parceria com o Kitasato Institute, um centro de pesquisa médica no Japão. Satoshi Omura e sua equipe isolaram um grupo de substâncias químicas chamadas avermectinas de bactérias encontradas em uma única amostra de solo perto de um campo de golfe japonês. Que eu saiba, a avermectina ainda não foi encontrada em nenhuma outra amostra de solo do mundo.

A pesquisa sobre avermectina continuou por aproximadamente cinco anos. Logo, a Merck e o Instituto Kitasato desenvolveram uma forma menos tóxica que chamaram de ivermectina. Foi aprovado em 1981 para uso comercial em medicina veterinária para infecções parasitárias em rebanhos e animais domésticos com a marca Ivomec.

Os compostos químicos que constituem a ivermectina foram descobertos pela primeira vez em bactérias encontradas no solo de um campo de golfe japonês

Desenvolvimento de ivermectina para uso humano

Os primeiros experimentos de William Campbell e sua equipe da Merck descobriram que a droga também funcionava contra um parasita humano que causa uma infecção chamada cegueira dos rios.

A oncocercose, também conhecida como oncocercose, é a segunda principal causa de cegueira evitável no mundo. É transmitida ao homem por moscas negras portadoras do verme parasita Onchocerca volvulus e ocorre predominantemente na África.

A ivermectina passou por testes para tratar a oncocercose em 1982 e foi aprovada em 1987. Desde então, ela foi distribuída gratuitamente por meio do Programa de Doação de Mectizan para dezenas de países. Graças à ivermectina, a oncocercose foi essencialmente eliminada em 11 países latino-americanos, evitando aproximadamente 600.000 casos de cegueira .

Essas duas décadas de extenso trabalho para descobrir, desenvolver e distribuir ivermectina ajudaram a reduzir significativamente o sofrimento humano da oncocercose. São esses esforços que foram reconhecidos pelo Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2015 , concedido a William Campbell e Satoshi Omura por sua liderança nesta pesquisa inovadora.

Satoshi Omura e William Campbell receberam o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2015 por suas pesquisas sobre ivermectina

Reaproveitamento de medicamentos para outros usos

Os pesquisadores de doenças infecciosas freqüentemente tentam reaproveitar antimicrobianos e outros medicamentos para tratar infecções. O reaproveitamento de medicamentos é atraente porque o processo de aprovação pode acontecer mais rapidamente e a um custo menor, uma vez que quase toda a pesquisa básica já foi concluída.

Nos anos desde que foi aprovado para tratar a oncocercose, a ivermectina também se mostrou altamente eficaz contra outras infecções parasitárias. Isso inclui a estrongiloidíase, uma infecção intestinal por lombriga que afeta cerca de 30 a 100 milhões de pessoas em todo o mundo.

Outro exemplo é a anfotericina B, originalmente aprovada para tratar infecções humanas de fungos e fungos. Os pesquisadores descobriram que também pode ser um tratamento eficaz para formas graves de leishmaniose, uma infecção parasitária prevalente em países tropicais e subtropicais.

Da mesma forma, a doxiciclina é um antibiótico usado para uma ampla variedade de infecções bacterianas humanas, como pneumonia e doença de Lyme. Mais tarde, descobriu-se que também era altamente eficaz na prevenção e no tratamento da malária.

A ivermectina tem sido usada para tratar a estrongiloidíase, uma infecção intestinal que pode ser fatal para os imunocomprometidos

Reaproveitamento de medicamentos para COVID-19

No entanto, nem todas as tentativas de redirecionar uma droga funcionam como esperado.

No início da pandemia, cientistas e médicos tentaram encontrar medicamentos baratos para reutilizar no tratamento e prevenção de COVID-19. Cloroquina e hidroxicloroquina foram duas dessas drogas. Eles foram escolhidos devido aos possíveis efeitos antivirais documentados em estudos de laboratório e relatos de casos anedóticos limitados dos primeiros surtos de COVID-19 na China. No entanto, grandes estudos clínicos desses medicamentos para tratar COVID-19 não se traduziram em quaisquer benefícios significativos. Isso se deveu em parte aos graves efeitos tóxicos que os pacientes experimentaram antes que os medicamentos atingissem uma dose alta o suficiente para inibir ou matar o vírus.

Infelizmente, as lições dessas tentativas fracassadas não foram aplicadas à ivermectina. A falsa esperança em relação ao uso de ivermectina para tratar COVID-19 originou-se de um estudo de laboratório de abril de 2020 na Austrália. Embora os resultados deste estudo tenham sido amplamente divulgadosimediatamente tive sérias dúvidas . A concentração de ivermectina que eles testaram era de 20 a 2.000 vezes maior do que as dosagens padrão usadas para tratar infecções parasitárias em humanos. Na verdade, muitos outros especialistas farmacêuticos confirmaram minhas preocupações iniciais um mês após a publicação do artigo. Essas altas concentrações da droga podem ser significativamente tóxicas.

Outro artigo comumente citado sobre os supostos efeitos da ivermectina contra o COVID-19 foi retirado em julho de 2021, depois que os cientistas encontraram sérias falhas no estudo. Essas falhas variaram de análises estatísticas incorretas a discrepâncias entre os dados coletados e os resultados publicados, a registros de pacientes duplicados e a inclusão de sujeitos do estudo que morreram antes mesmo de entrar no estudo. Ainda mais preocupante, pelo menos dois outros estudos frequentemente citados levantaram preocupações significativas sobre fraude científica.

No momento em que este artigo foi escrito, dois grandes ensaios clínicos randomizados não mostraram nenhum benefício significativo do uso de ivermectina para COVID-19. Organizações de saúde nacionais e internacionais respeitáveis, incluindo a Organização Mundial da Saúde, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, os Institutos Nacionais de Saúde, a Food and Drug Administration e a Infectious Diseases Society of America, recomendam unanimemente contra o uso de ivermectina para prevenção ou trate COVID-19, a menos que no contexto de um ensaio clínico.

Consequências do uso de ivermectina para COVID-19

Infelizmente, muitas organizações com intenções duvidosas continuaram a promover o uso não comprovado de invermectina para COVID-19. Isso levou a um aumento dramático nas prescrições de ivermectina e a uma enxurrada de ligações para os centros de controle de venenos dos Estados Unidos para overdoses de ivermectina . Muitas ligações foram devido à ingestão de grandes quantidades de produtos veterinários contendo ivermectina – duas mortes relacionadas à overdose de ivermectina foram relatadas em setembro de 2021.

A ivermectina, quando usada corretamente, preveniu milhões de doenças infecciosas potencialmente fatais e debilitantes. Deve ser prescrito apenas para tratar infecções causadas por parasitas. Não se destina a ser prescrito por parasitas que procuram extrair dinheiro de pessoas desesperadas durante uma pandemia. Espero sinceramente que este capítulo infeliz e trágico na incrível história de um medicamento que salva vidas chegue ao fim rapidamente.


por Jeffrey R. Aeschlimann, Professor Associado de Farmácia na Universidade de Connecticut   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -