Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Julho 5, 2022

Para….

Poema inédito de Alice Coelho

Para….

Para além do que se sente
Dum arremesso do tempo
Há o aquém que te mente
No instante e no momento
Para lá do que não existe
Num sufoco que te fulmina
Há um para cá que persiste
No silêncio que descrimina
Para aqui voam os pássaros
De asas a bater apressadas
Para ali voam pensamentos
Em largas e longas passadas
A querer semear argumentos
Por acolá soam vozes mudas
Por diante as palavras surdas
Tão estridentes quase agudas
Tão descabidas, tão absurdas
Para um tempo sem um tempo
Onde um silêncio vira tormento.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorCartas à liberdade
Próximo artigoAcontecia
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Titãs cantam: “Comida”

Além Tejo (1)

A impostora

- Publicidade -