Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Janeiro 20, 2022

Soberania digital: a Europa espremida entre a China e os Estados Unidos

Os limites dos esforços de proteção de dados, especialmente porque as pessoas dependem da mídia social norte-americana e chinesa e de aplicativos de tecnologia na ausência de alternativas europeias preocupam os líderes europeus.

Na falta de um poderoso setor de tecnologia próprio, a União Europeia, tentou conquistar espaço na economia digital como a superpotência regulatória mundial, liderando a carga sobre direitos de privacidade e proteção de dados, alavancando seu enorme mercado único contra Golias como Google e Facebook. A informação é do The New York Times.

Mas vários exemplos recentes deixaram claro que, para a Europa, cada vez mais isso não é suficiente. O ritmo acelerado das mudanças tecnológicas – incluindo inteligência artificial e reconhecimento facial – está se misturando cada vez mais às preocupações com a segurança nacional que os líderes europeus demoram a entender e responder, dizem analistas.

À medida que a tecnologia global se transforma em um campo de batalha entre a China e os Estados Unidos, a Europa está achando mais difícil estabelecer as regras da estrada, enquanto outros em Pequim e Washington estão à frente.

“A Europa precisa agir em conjunto”, disse Marietje Schaake, diretora de política internacional do Cyber ​​Policy Center da Universidade de Stanford e ex-membro do Parlamento Europeu. “Eu me preocupo com o andamento muito lento para o ritmo em que as mudanças estão por vir.”

O exemplo mais recente é o TikTok, o aplicativo de vídeo curto chinês extremamente popular, que a administração Trump desafiou usando muitos dos mesmos argumentos de segurança nacional que empregou contra a Huawei, a gigante chinesa das telecomunicações, e sua tentativa de se tornar o provedor 5G dominante no mundo.

Repetidamente, tais disputas deixaram líderes europeus, reguladores e indústrias espremidos entre Pequim e Washington, arriscando retaliação contra montadoras, firmas de serviços financeiros ou empresas agrícolas se escolherem um lado ao outro.

Em resposta, os líderes europeus embarcaram tardiamente em um projeto geracional em direção à “soberania digital”, misturando regras mais rígidas contra empresas estrangeiras de tecnologia com esforços para impulsionar a inovação local.

Margrethe Vestager, vice-presidente da Comissão Europeia encarregada de questões digitais, chamou isso de uma “nova fase” para a política de tecnologia na região. Mas essas políticas levarão anos para mudar o equilíbrio significativamente a favor da Europa, dizem os analistas, e muitos questionam se são realmente suficientes para fechar a lacuna tecnológica com os Estados Unidos e a China.

Um dos motivos pelos quais Bruxelas corre o risco de ficar para trás é que a segurança continua sendo responsabilidade de cada um dos países membros, não cedida à União Europeia, disse Schaake. “A TikTok confronta a Europa com as fraquezas de suas políticas de segurança digital e nacional”, disse ela. “A Europa é ingênua em relação a algumas tecnologias provenientes da China e dos Estados Unidos e apenas diz que qualquer pessoa que faça negócios na Europa deve respeitar nossos direitos e regulamentos.”

Depois de meses de debate, alguns líderes europeus estão se aproximando de pontos de vista mais próximos aos de Washington, onde o presidente Trump tentou forçar a venda das operações da TikTok nos Estados Unidos para uma empresa americana, acusando os laços da empresa com a China de uma segurança nacional ameaça. Ele usou o mesmo argumento contra a Huawei, a gigante das telecomunicações, embora ambas as empresas neguem qualquer vínculo explícito com o governo chinês.

Na Europa, o ponto de vista americano sobre a Huawei, respaldado pela ameaça de sanções secundárias, ganhou espaço, mais recentemente na Grã-Bretanha, onde a proibição foi adotada em julho. Mas a maioria dos europeus ainda vê o TikTok não como uma ameaça à segurança, mas como um risco à privacidade. Mesmo que a venda da TikTok orquestrada pela Casa Branca seja concluída, as operações europeias permanecerão sob a propriedade da empresa-mãe chinesa, ByteDance.

O TikTok usa reconhecimento facial e inteligência artificial, tecnologias importantes que não são regulamentadas pelos Estados Unidos ou pela União Europeia. “Com a combinação de competição, inteligência artificial e segurança, faz sentido por que alguns formuladores de políticas estão preocupados”, disse Andreas Aktoudianakis, analista de política digital do European Policy Center, uma instituição de pesquisa em Bruxelas. “A Europa quer regular a inteligência artificial e outras tecnologias, mas é lenta e não há um cronograma real”, acrescentou. “Estamos atrasados ​​para pegar o trem.”

Gerard de Graaf, diretor para o mercado único digital da Comissão Europeia, disse que a União Europeia precisava de “muito mais cooperação entre os Estados membros na questão da segurança”. A Europa não tem grandes plataformas de mídia social, ele admitiu em um seminário na Bruegel, uma instituição de pesquisa de Bruxelas, mas está indo bem em tecnologia financeira, robótica e 5G. “Não é que a UE esteja muito atrás de todos”, disse ele, “mas temos desafios”.

Mas Francesca Bria, presidente do Fundo Nacional de Inovação da Itália , argumentou que a Europa corre o risco de ser esmagada entre o modelo de Estado chinês – que é representado por Huawei, WeChat, Alibaba, Tencent e TikTok, com seus subsídios estatais – e a “grande empresa, grande vigilância tecnológica ”dos gigantes americanos. “Se não conseguirmos recuperar a soberania digital”, disse ela, “corremos o risco de nos tornar uma colônia presa entre os Estados Unidos e a China”, com riscos para a democracia.

As ações americanas de tecnologia sozinhas são mais valiosas do que todo o mercado de ações europeu, disse Bria. “A Europa precisa permanecer relevante como potência econômica global, não apenas como potência reguladora”, disse ela. As fraquezas são gritantes. Os smartphones mais populares do mundo são fabricados na China, Coreia do Sul e Estados Unidos. As maiores mídias sociais e plataformas de compras online vêm de empresas americanas e chinesas, assim como os maiores provedores de computação em nuvem e serviços de inteligência artificial.

A Europa está ausente da lista das empresas de tecnologia mais influentes do mundo desde a queda da Nokia há cerca de uma década. Por razões que incluem falta de capital de risco, barreiras linguísticas e aversão cultural ao risco, as empresas europeias têm lutado para acompanhar o ritmo empreendedor em uma indústria de tecnologia agora dominada por dispositivos móveis, serviços de Internet e ferramentas de comunicação online.

A Europa tentou influenciar a economia digital por meio de regulamentação, adotando regras rígidas de proteção de dados e aplicando agressivamente as leis antitruste. Mas os líderes europeus estão percebendo os limites desses esforços, especialmente porque seus cidadãos dependem da Amazon, Apple, Facebook e Google na ausência de alternativas europeias. A maior empresa europeia de tecnologia é a alemã SAP, fornecedora de software empresarial que concorre com empresas americanas como Microsoft e Oracle.

Junto com questões de privacidade e segurança, TikTok também levanta questões sobre desinformação e sobre a censura exercida pela empresa em questões de sensibilidade à China. O Conselho Europeu de Proteção de Dados disse em junho que criaria uma força-tarefa para avaliar as atividades da TikTok em todo o bloco.

Mas não está claro qual agência europeia tomaria a iniciativa, especialmente desde que a TikTok em julho transferiu as funções de proteção de dados para Dublin. Isso pode dar à Comissão de Proteção de Dados da Irlanda a supervisão da empresa quando se trata de questões de privacidade. Mas a agência já enfrentou críticas no passado por não ser mais agressiva.

Noah Barkin, pesquisador visitante sênior do German Marshall Fund, disse que a falta de influência da Europa resultou, em última instância, de sua escassez de empresas influentes de tecnologia. A Europa enfrentará essas dificuldades por anos, enquanto a China e os Estados Unidos lutam pela supremacia tecnológica. “A Europa não desenvolveu suas próprias empresas digitais globais para competir com as grandes empresas americanas e chinesas e, em última análise, é disso que se trata a soberania digital”, disse Barkin. “Não pode ser apenas um regulador.”

Os planos da Europa para a “soberania digital” ainda são vagos, disse Rebecca Arcesati, analista do Instituto Mercator para Estudos da China em Berlim. “Este é um ponto de discussão, mas ainda falta muito para que a Europa possa desenvolver seus próprios campeões digitais”, disse ela. “Pode ser tarde demais.”

Fabrice Pothier, diretor de estratégia da empresa de consultoria Rasmussen Global em Bruxelas, disse que a pressão americana está forçando a Europa a recalibrar seu relacionamento com a China, especialmente em questões de tecnologia. “É um alerta para a Europa”, disse ele. “Não existe tecnologia benigna e operadora de rede da China.” Sobre este assunto, a administração Trump “não está necessariamente errada”, disse ele. “A Europa está geralmente atrás da curva.”


Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -